Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nas Nuvens de Um Terceiro Andar

Ter | 22.10.19

Frases que Ficam #15

Nuvem

Tudo depende do tipo de lente que você utiliza para ver as coisas.”

O Mundo de Sofia, Jostein Gaarder

 

 

Li há muitos anos, em duas alturas complemente diferentes da minha vida. Mas continuo a adorar o livro e tudo o que ele me ensinou.

A mesma coisa pode ser boa ou má, dependendo da forma como a encaramos, a perspetiva que temos sobre ela.

É o mesmo princípio de ver o copo "meio cheio" e não "meio vazio". Vermos sempre pelo lado bom, por pouco que seja.

Mesmo as coisas piores das nossas vidas, têm sempre algo de bom. Pode não ser no imediato, podemos só perceber anos mais tarde. Mas a forma como as encaramos, vai ditar muito da forma como nos sentiremos perante a vida.

 

E todos queremos ser felizes!...

Seg | 21.10.19

Recordar a ouvir #27

Nuvem

"If I lay here
If I just lay here
Would you lie with me and just forget the world?

Forget what we're told
Before we get too old
Show me a garden that's bursting into life"

 

De 2006, mas que vai ficar para sempre. É daquelas músicas à qual não consigo ficar indiferente quando a oiço. Passe o tempo que passar, oiça as vezes que ouvir..vou gostar sempre.

 

Sou a única?

Sex | 18.10.19

Desafio de escrita dos pássaros #6

"O Amor, uma cabana… e um frigorífico"

Nuvem

transferir.jpg

"Avó...Se ele é o teu amor… porque não o queres procurar? Eu posso ajudar!”

 

Filipa, a sua neta, tinha-lhe perguntado isto mais cedo, quando a fora visitar ao lar. Todas as semanas ia visitá-la e Maria adorava a companhia da neta. Era a sua maior confidente. Falavam de tudo e Filipa adorava que a avó lhe contasse como era a sua vida antes dela…Filipa sabia até que o amor da vida da avó não era o seu avô … e questionava a avó sobre o porquê dessa escolha. O porquê de não querer, pelo menos agora, tentar encontrá-lo.

 

“Filipa, passou-se tanto tempo. Ele tem uma vida…e eu deixei de fazer parte dela!”

 

Maria, agora com todo o tempo do mundo, também ela ficava a pensar muitas vezes nisso. António, o seu marido por mais de 40anos, havia morrido há dois. E por muito que tenha sido o melhor marido possível, não era o seu verdadeiro amor.

Maria conhecia José desde pequena. Eram apaixonados um pelo outro quando ainda nem tinham idade para saber o que isso era… Mas a família de Maria não achava que António fosse o melhor para ela. Na aldeia, não podiam falar um com o outro e só a escola os juntava. Faltou-lhes a força de "Romeu e Julieta"...

António era o marido que os pais lhe haviam escolhido: era de famílias abastadas e, numa altura em a que a luz elétrica chegara à aldeia há poucos dias, ele jurara aos seus pais que, para além do seu amor, Maria iria até ter um frigorífico!... Imaginam na altura a promessa que isso era? Só quem passou por tamanha privação, sabe o valor destas palavras.

José e Maria viram-se pela última vez uns dias antes de ela casar. O desgosto fizera com que ele decidisse emigrar e nunca mais voltou à aldeia. Tinham-se passado quase 45 anos sem uma única palavra. Mas ela amava-o. Como há quarenta e cinco anos atrás.

 

Na semana seguinte, Filipa veio com um sorriso no rosto. Mostrou-lhe no telemóvel uma mensagem. E Maria nem queria acreditar quando leu:

“Não te prometo frigoríficos, fogões ou uma nave espacial. Passaram-se tantos anos, mas estive sempre contigo… Basta que me digas que é para voltar. E amanhã estarei aí, para passarmos os últimos anos das nossas vidas juntos. Como sempre estivemos.”

 

No dia seguinte, os dois voltaram a juntar-se... até ao fim!