Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nas Nuvens de Um Terceiro Andar

Seg | 05.04.21

Dois anos.

Nuvem

"A morte de alguém que amamos verdadeiramente é realmente o nosso abrir do chão. É realmente uma dor incomensurável. Mas também é um amor eterno. Que não se atenua, pelo contrário. Intensifica-se a cada dia que passa pela saudade cada vez maior, que teima em nunca mais nos deixar sozinhos. A morte é uma barreira para muita coisa, mas não para o amor. Esse, permanece no nosso coração e por ali fica, até ao último dia das nossas vidas."

 

Dois anos se passaram da perda do meu Padrinho. De um segundo Pai que a vida me deu. De um amigo como tão poucos há. De um segundo avô para o Piolho que não poderia ser mais babado, apesar de só ter tido meio ano com ele.

 

Não há um dia que não pense nele. Não há um dia que não me lembre de que, um dos seus maiores ensinamentos, foi a bondade. A generosidade. Não sei se em alguma parte do mundo haverá alguém tão incrível como ele.

 

Onde quer que esteja Padrinho, sei que está connosco. Sempre. E sei que, quando um dia nos voltarmos a encontrar, vai continuar a ser uma das minhas pessoas favoritas de sempre

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.